Complicações podais em pacientes hansenianos

Conteúdo do artigo principal

Brenda Caroline Paulo Cipriano
Francislaynne Karoline Dias Rosa
Jamire Porto de Oliveira
Jéssica Brito Varjão
Kelly Pereira da Silva
Thaynara Marques Almeida
Christiana Vargas Ribeiro

Resumo

A hanseníase é uma doença infecciosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae que, se não tratada, pode ser transmitida por meio de vias aéreas, secreções nasais ou gotículas de saliva. Os sintomas mais comuns são manchas na pele, perda de sensibilidade, parestesia e nódulos. Seu diagnóstico é realizado através de avaliação clínica e exames específicos. A doença pode comprometer os pés e uma das complicações causadas é a úlcera plantar, que é porta de entrada para microrganismos, podendo levar a amputação dos membros afetados. Este estudo tem como objetivo demonstrar as incidências da hanseníase no Brasil e consequências causadas quando não tratada corretamente e a importância do acompanhamento podológico, para evitar comprometimento nos pés, reduzindo os riscos de amputações e promover uma melhor qualidade de vida aos pacientes. Para isso, foi realizado estudo qualitativo com base em artigos científicos selecionados em bases de dados. Nas literaturas estudadas, pôde-se destacar que os fatores predominantes para a erradicação da doença são: as desigualdades e vulnerabilidades sociais e o estilo de vida. Outro ponto importante são as reações hansenianas apresentadas por alguns pacientes, como a incapacidade física que pode acometer olhos, mãos e pés, podendo ser reduzidas com diagnóstico precoce e realização do tratamento completo. Deve-se considerar a relevância dos dados encontrados no estudo, para investimento em calçados e palmilhas protetoras, para que as ulcerações não progridam para osteomielite ou amputações. Mesmo diante dos avanços na Medicina e estratégias globais, a hanseníase ainda é um problema de saúde pública e os pacientes precisam ser assistidos pela equipe multidisciplinar, com ênfase no podólogo, que realizará avaliações mensais e tratamento adequado, para melhor qualidade de vida do paciente.

Detalhes do artigo

Como Citar
Caroline Paulo Cipriano, B. ., Karoline Dias Rosa, F. ., Porto de Oliveira, J. ., Brito Varjão, J. ., Pereira da Silva, K. ., Marques Almeida, T. ., & Ribeiro, C. V. (2021). Complicações podais em pacientes hansenianos. REVISTA IBERO-AMERICANA DE PODOLOGIA, 3(1), E0602021, 1 - 8. https://doi.org/10.36271/iajp.v3i1.60
Seção
ARTIGOS EM FLUXO CONTÍNUO
Biografia do Autor

Brenda Caroline Paulo Cipriano, Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Francislaynne Karoline Dias Rosa, Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Jamire Porto de Oliveira, Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Jéssica Brito Varjão, Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Kelly Pereira da Silva, Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Thaynara Marques Almeida, Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Instituto Educacional São Camilo de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Referências

ALVES, Cinthia Janine Meire Alves, et al. Avaliação do grau de incapacidade dos pacientes com diagnóstico de hanseníase em Serviço de Dermatologia do Estado de São Paulo. Rev. Soc. Bras. de Med. Trop., São Paulo, vol.43, n.4, p. 460-461, jul/ago 2010.

ALVES, Jucileide Moreira, et al. Perfil epidemiológico e espacial dos casos novos de hanseníase notificados em Feira de Santana no período de 2005- 2015. Rev. Pesqui. Fisioter., Salvador, vol.11, n.2, p. 334-341, mai.2021.

ARAÚJO, Daniella Azevedo Lobo, et al. Caracterização da qualidade de vida de pessoas com hanseníase em tratamento ambulatorial. Rev Fund Care Online., Rio de Janeiro, vol.8, n.4, p. 5010-5016, out/dez 2016.

ARAÚJO, Maylla Moura, et al. Perfil clínico-epidemiológico de pacientes que abandonaram o tratamento de hanseníase. Hansen. Int., Piauí, vol.39, n.2, p. 55-63, nov.2014.

BATISTA, Katia Torres, et al. Tratamento da úlcera plantar devido à hanseníase. Rev. Bras. Cir. Plast. , Brasília, vol.34, edição 4, p. 497-503, out.2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Relatório de gestão da Coordenação Geral do Programa Nacional de Controle da Hanseníase – CGPNCH: janeiro de 2009 a dezembro de 2010. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

CHAGAS, Izabel Cristina Sad das, et al. Fatores de risco para a ocorrência das úlceras plantares decorrente da hanseníase de acordo com a árvore de decisão. Ciência, Cuidado E Saúde, Minas Gerais, vol.18, n.3, p. 1-7, jul.2019.

FRANCHESCHI, Danilo Santana Alessio, et al. Hanseníase no Mundo Moderno: O Que Sabemos Sobre a Influência Genética do Hospedeiro no seu Controle? Arq Med., Maringá, vol.23, n.4, p. 159-165, ago.2009.

GOMES, Fernanda Guzzo, et al. Úlceras cutâneas na hanseníase: perfil clínico-epidemiológico dos pacientes. An Bras Dermatol., São Paulo, vol.82, n.5, p. 433-437, out. 2007.

LASTÓRIA, Joel Carlos, et al. Hanseníase: diagnóstico e tratamento. Diagn Tratamento, São Paulo, vol.17, n.4, p. 173-179, out. 2012.

LOPES, Viviane Aparecida Siqueira, et al. Hanseníase e vulnerabilidade social: uma análise do perfil socioeconômico de usuários em tratamento irregular. Saúde Debate, Rio de Janeiro, vol.38, n.103, p. 817-829, out/dez. 2014.

MENDONÇA, Vanessa Amaral, et al. Imunologia da hanseníase. An. Bras. Dermatol, Minas Gerais, vol.83, n.4, p. 343-350, ago.2008

NOGUEIRA, Simone Alves, et al. Abordagem podológica nas complicações podais dos pacientes hansenianos. Revista Ibero-Americana de Podologia, Minas Gerais, vol.2, n.2, p, 213-218, ago. 2020.

PENNA, Gerson Oliveira, et al. Doenças dermatológicas de notificação compulsória no Brasil. An. Bras. Dermatol., Rio de Janeiro, vol.86, n.5, p. 865-877, out.2011.

PESCARINI, Julia Moreira, et al. Epidemiological characteristics and temporal trends of new leprosy cases in Brazil: 2006 to 2017. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol.37, n.7, p. 1-16, jul.2021.

PINHEIRO, Camila Isnaide Pimentel, et al. Perfil clínico-epidemiológico de pessoas acometidas por úlceras neutróficas decorrentes der hanseníase. Research, Society and Development., Piauí, vol.10, n.12, ago.2021.

QUEIROZ, Tatiane Aparecida, et al. Perfil clínico e epidemiológico de pacientes em reação hansência. Rev. Gaúcha Enferm., Rio Grande do Norte, vol.36, p. 185-191, dez.2015.

RIBEIRO, Gabriela de Cássia, et al. Deficiências física na Hanseníase: caracterização, fatores relacionados e evolução. Cogitare enferm., Diamantina, vol.20, n.3, p. 495-502, jul/set.2015.

SANTANA, Emanuelle Malzac Freire de et al. Perfil dos pacientes acometidos pela hanseníase em um centro de atenção secundária a saúde. Rev. Enferm. UFPE, Recife, vol.11, n.11, p. 4404-4409, nov.2017.

SOBRINHO, Reinaldo Antonio da Silva, et al. Avaliação do grau de incapacidade em hanseníase: uma estratégia para sensibilização e capacitação da equipe de enfermagem. Rev. Latino-am Enfermagem, Recife, vol.15, n.6, p. 1125-1330, nov/dez 2007.

SOUZA, Carlos Dornels Freire de. Physical disability and Hansen’s disease in Brazil in the 21st century: Brief analysis. An. Bras. Dermatol, Alagoas, vol.94, n.1, p. 107-180, mar.2018.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)